quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Dúvidas profissionais


Na postagem anterior, falei sobre como me sentia fracassada. Abaixo, segue um breve resumo:

Nunca fui a melhor aluna da escola, mas até antes de chegar no ensino médio nunca ia para recuperação, provas finais etc (sempre estudei em escola particular). Ao chegar no Ensino Médio, tive bastante dificuldade nas disciplinas de exatas - e aí realmente não sei se era uma dificuldade ou apenas preguiça.
Para fazer vestibular, coloquei um curso de humanas, já que tinha absorvido que "minha área" era essa (achei isso só porque achava as disciplinas fáceis).
Passei para a federal do meu estado, saí do interior (cidade de menos de 30 mil hab.) e fui pra capital.
Primeiros semestres, ok. Não gostei, mas diziam que era assim mesmo: depois "toma gosto".
Sei que no 3º período consegui um estágio na minha área, na empresa que estou até hoje (quase 8 anos). Nesse tempo, quase terminei a graduação, mas desisti.

Desisti porque não aguentava mais aquele curso, aqueles colegas, professores, aqueles livros. Alguns dias eu fui pra universidade e simplesmente não conseguia entrar na sala (eu sei, isso é bizarro) e já fiquei umas 2 horas só sentada, parada, pensando como eu era burra e preguiçosa.
Desisti e não contei pra ninguém, porque isso era um peso muito grande, então pra mim era melhor fingir que eu não tinha passado por isso.
Bom, mas enquanto tudo isso se passava na minha cabeça, eu continuava trabalhando. Saí de estagiária para efetiva e tive 2 promoções até então.

Ok, e onde está o problema, Começando do zero?

Justamente no fato de eu notar que não quero mais trabalhar nesta empresa e não ter terminado a graduação.
Como vou sair de uma empresa sem outro emprego à vista?
Como vou saber qual graduação/curso técnico quero fazer, se não sei o que quero da vida?
Como vou conseguir um emprego que me pague um salário O.K. sem ao menos uma graduação?

Aqui na empresa um chefe perguntou sobre minha graduação e eu tomei coragem para falar a verdade. Aparentemente ele ficou com pena de mim. Detestei isso.

Tem uma postagem do Frugal Simples que eu gostei demais, ele escreveu coisas que outras pessoas comentaram no post anterior: Você não é a sua profissão. Você TRABALHA na sua profissão.

Espero que esse desabafo sirva pelo menos pra "clarear" alguma coisa na minha cabeça.


:)

19 comentários:

  1. Olá minha querida. O que eu posso dizer é da minha própria experiência. Eu me formei num curso tradicional de exatas e também posso dizer que nunca gostei. Me formei com um ano a mais que o normal, na média, aos trancos e barrancos. Porém, o diploma definitivamente me abriu portas e consegui ganhar meu dinheiro e me sustentar e fazer uma carteira de investimentos que me deu uma certa liberdade.
    Se eu pudesse ter a ousadia de te aconselhar, acho que você poderia tentar ter seu diploma sim, nem que seja apenas para ter melhores chances profissionais e ganhar mais, enquanto você constrói sua carteira de investimentos e se torna independente.
    Aconselho você fazer algum curso fácil, tipo administração ou direito, já que você não gosta muito de exatas. É um sacrifício que vale a pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Investidor do ABC!
      Obrigada pelo comentário. Você(s) me ajudou mais do que imagina.
      Abs

      Excluir
  2. Também acho que seja um sacrifício que vale a pena. Vejo você em dois caminhos

    Um que é o de largar tudo e empreender, outro é terminar sua graduação e se estabalecer, decidir o que quer e ir se afastando do atual emprego aos poucos.

    Uma é mais arriscada e chama muita atenção, a carga de sofrimentos é bem dolorosa e a grande maioria não dá certo principalmente pela falta de resiliência.

    A segunda é mais conservadora, menos chance de dar erros mas vai consumir ainda por um tempo algo que já te faz se sentir esgotada.

    Ouvir opiniões é sempre muito bom, mas essa escolha só quem pode fazer e o que realmente vai pesar só você vai saber dizer, não importa quantos especialistas venham te dizer qual o caminho menos doloroso.

    Sugiro começar a escrever tudo num papel, prós e contras. Algo muito comum é a gente parar para refletir os mesmo problemas, as mesmas angústias várias vezes e ficando rodando no círculo sem nunca sair do lugar. Ao escrever, você organiza seus pensamentos e passa a deixar os repetidos de lado dando oportunidade a novos até que se esgotem as premissas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, E.I.!
      Fiz o que você sugeriu (literalmente), coloquei tudo num papel; e como disse no comentário da Ryca, já decidi o que farei. Espero que num futuro não muito distante possa falar algo por aqui.
      Obrigada pelas palavras :)
      Abs

      Excluir
  3. E ai, escrever lhe trouxe clareza?
    Já considerou fazer algum curso técnico? Hoje talvez eu faria um técnico primeiro, talvez a porta de entrada para o mercado seja mais ampla.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Concurseira!
      Trouxe mais clareza do que eu esperava kkkkkk
      Já pensei sim, mas acabei decidindo outro caminho. Em um outro post falarei melhor sobre isso, mas saiba que os comentários daqui foram muito importantes pra mim. Obrigada :D

      Excluir
  4. Então "Começando do 0", essas crises profissionais existenciais são comuns com todo mundo. :)
    Acho que uma graduação sempre pode abrir portas, vale a pena ter embora já tenha caído no lugar comum (pois todo mundo faz) e não ser garantia de sucesso ou dinheiro. Faltaria muito para terminar o curso que você largou? Porque de repente se falta muito pouco, talvez valesse o esforço de concluir para pelo menos ter um diploma. Caso contrário, você já pensou em tentar um curso EAD? São mais baratos e há cursos de 2 anos, você faz no seu tempo livre em casa.
    Os cursos técnicos como a Concurseira mencionou também poderiam ser uma opção mais rápida e mais prática, mais voltada para o mercado de trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Adriana!
      O Sr. Começando do 0 me diz sempre isso, muita gente está insatisfeita, entra em crise... é "normal".
      Obrigada pelo comentário, numa proxima postagem explico melhor o que foi decidido. Obrigada pelas palavras.
      Abs

      Excluir
  5. simples:

    http://www.vidaruimdepobre.com/search/label/Carreira1789.html?updated-max=2014-05-21T07:00:00-03:00&max-results=20&start=43&by-date=false

    abs

    ResponderExcluir
  6. Vou acompanhar tua jornada... To no inicio da minha rumo a independência e também cheio dos questionamentos haha.
    Adicionada no Blogroll !
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rumo a IF, seja bem-vindo!
      kkkkk vamos conseguir, avante!
      Abs

      Excluir
  7. Olá!

    Sinto por este sentimento, mas te entendo. Cursei algo que nunca gostei, mas o fiz porque me possibilitaria prestar concursos públicos com boa remuneração. Já sou funcionário público concursado há 19 anos. Não gosto da rotina, mas o salário, nos padrões de hoje, é bom e não é só suficiente para permitir eu pagar as contas como poupar para alcançar a liberdade financeira.

    Em seu lugar, não trocaria o certo pelo duvidoso. Conseguir emprego, hoje em dia, é muito difícil, mesmo para indivíduos com boa qualificação.

    O que pode fazer é: fazer um teste de aptidão; criar uma rotina de conversa consigo mesma, longe de tudo e de todos, para tentar identificar do que você gosta e faria por prazer.

    Se alcançar tal objetivo, procurar conhecer profissões ligadas e, se for o caso, prestar vestibular, de forma que no futuro, passe a fazer aquilo que te traz felicidade.

    A vida é feita de espinhos para todos, mesmo que em diferentes graus.

    Sucesso!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, M.I.
      Você pensa como o Sr. Começando do 0. Ele também me deu esses conselhos (obviamente levei em conta).
      Assim como ouvi os conselhos dos outros comentários, fiz (literalmente) o que você sugeriu. Tentei identificar o que gosto de fazer de verdade, por prazer.
      Obrigada pelo comentário, obrigada mesmo.
      Abs

      Excluir
  8. Compartilho desse seu sentimento e tenho uma trajetória muito semelhante a sua em relação a ausência de identificação com os cursos superiores.

    Infelizmente nos processos seletivos a ausência de uma graduação é suficiente para a sua desclassificação da vaga pretendida, ou seja, você acabaria ficando sujeita as vagas com os salários menores.

    De tal modo que ter o ensino superior, mesmo que em cursos generalistas e em instituições não renomadas, de certa forma, facilitariam em seu crescimento profissional e pessoal.

    Espero que seu desabafo aliado aos comentários expostos te auxiliem a esclarecer esses pontos.

    Abraço.
    IV

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, I.V.!
      Meu desabafo + os comentários de vocês me ajudaram demais, só tenho que agradecer.
      Muito obrigada pelas palavras :)
      Abs

      Excluir
  9. Não sei se meu conselho vai te ajudar, já que parte da minha perspectiva de vida, mas enfim...
    Eu não consigo. Eu simplesmente não consigo fazer algo com o qual não me identifico. Larguei duas graduações porque não ia levar por 4~5 anos algo que eu diariamente detestava. Sempre foquei em algo que eu me identificasse um pouco e tivesse uma mínima chance de seguir carreira. No fim das contas perdi muito tempo e não desenvolvi profissão alguma.
    Hoje estou cursando um curso que sequer cogitaria há 10 anos, mas que estou gostando demais. Talvez seja por estar em outra fase da vida, não sei. Eu sempre gostei de estudar, só precisei encontrar algo que eu gostasse, que me desse uma perspectiva do que poderia fazer.
    Não estou dizendo pra você largar tudo, mas também estou dizendo pra você largar tudo pra focar em você e saber o que quer e precisa.
    Essa insatisfação não vai sumir assim que você largar o emprego. E vai ter a preocupação de como arranjar outro emprego. E começar outra faculdade? Agora? Vou me formar quando? Todas essas dúvidas virão ao mesmo tempo e vai ser tão paralisante quanto as 2h que você ficou sentada sem conseguir entrar em sala.
    A questão primordial é que você precisa descobrir o que quer. Talvez o problema seja a empresa, não a área. E pra resolver o caso da graduação é só se matricular num EAD da área e pedir referências, afinal, você tem os anos de experiência ao seu lado.
    Talvez sejam outras questões que estão te incomodando e você está projetando no trabalho. Sei lá, as possibilidades são muitas. Mas só você pode saber.
    E aí não tem conselho que sirva, só uma auto análise pra te fazer encontrar a resposta. No fundinho você já sabe qual é, só precisa aceitá-la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ryca,
      Quando escrevi essa postagem, estava, de fato, totalmente perdida. Minha terapeuta me incentivou e disse que seria bom postar, "expor", que faria bem pra mim: e fez. Obviamente não é "só" isso que estava me incomodando, mas umas tantas outras coisas que infelizmente não posso contar para não me expor, mas que fui resolvendo e coincidentemente (ou não!) foram resolvidas pouco tempo após essa postagem.
      Bom, só para te atualizar: eu creio que vou fazer um curso que 10 anos atrás nem cogitava, e estou muito, muito, muito feliz.
      Obrigada pelas palavras (eu sempre soube a resposta, e foi muito bom aceita-la).
      Obrigada, obrigada, obrigada!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir